CANAIS CONFORMÁVEIS

Os benefícios oferecidos pelos canais conformáveis, em termos da redução de tempo por ciclo e do incremento na qualidade das peças, são enormes. A BBE coloca ao dispor dos seus clientes o know-how de 8 anos de atividade nesta área, sendo a primeira empresa em Portugal a produzir postiços refrigerados (conformal cooling) para a indústria de moldes.

Aqui encontra um breve guia informativo sobre os canais conformáveis, como fabricá-los facilmente e os benefícios que as empresas têm obtido dos mesmos.

A Forma do Arrefecimento

Quando desenha um molde destinado ao fabrico por processos tradicionais, o desenhador trabalha com dois objectivos em mente: uma funcionalidade óptima e prontidão no fabrico. Com frequência, alcançar o segundo objectivo implica comprometer o primeiro.

Para satisfazer as condicionantes de refrigeração, o desenhador – limitado pela necessidade de perfurar canais rectos – escolhe caminhos por onde os fluidos circulem o mais próximo possível da superfície do molde. Mas nestes casos nem mesmo a melhor solução é a mais ideal: os canais rectos nem sempre arrefecem as superfícies curvas de modo eficiente. Podem existir pontos quentes que provoquem empenos ou deformem peças e ainda que prolonguem o tempo de arrefecimento. E dado que o tempo de arrefecimento é uma parte substancial do ciclo do molde (até 70%) estes pontos podem reduzir significativamente a eficiência de produção. É por esta razão que cada vez mais fabricantes de moldes estão a encarar seriamente como fabricar canais que se conformem à superfície do molde de forma a que estes cheguem onde mais são necessários. O método escolhido – porque é simples e permite aos desenhadores alcançarem todo o potencial do fabrico orientado ao desenho – é a sinterização de metais (DMLS).

DMLS Facilita o Fabrico Orientado ao Desenho

A sinterização de metais (DMLS) liberta o fabricante de moldes dos problemas de fabrico e fá-lo dedicar-se apenas à criação de canais que sigam os melhores caminhos de arrefecimento possíveis, independentemente de como se situem ao longo da superfície do molde. A razão: o DMLS é um processo de fabrico aditivo, não de corte, perfuração ou moagem. Fabrica peças de baixo para cima, usando dados a partir dum modelo CAD 3D para guiar o processo. Inicialmente o sistema de sinterização a laser deposita uma fina camada de pó metálico e funde uma secção transversal do modelo. Espalha depois uma camada por cima dessa e sinteriza outra secção transversal e assim sucessivamente até completar a peça.

Com excepção do acabamento da superfície e de outras operações secundárias, a peça fica realmente completa. O DMLS pode fabricar um molde juntamente com os seus canais de arrefecimento em simultâneo, numa operação camada a camada. Nem sempre é mais rápido que o fabrico tradicional, porém pode eliminar a necessidade de perfuração, de electro-erosão e outro tipo de acabamentos. E acima de tudo abre novas fronteiras no campo do desenho. Quando a fabricação convencional atinge os seus limites, os canais conformáveis ou o DMLS transformam a complexidade em simplicidade.

Dado que os canais não estão sujeitos a restrições de fabrico e porque o DMLS pode fabricar peças com geometrias incrivelmente complexas, não há praticamente limite na forma ou no curso de um canal. Alguns desenhadores optam por canais com secções transversais elípticas para obter uma maior transferência de calor junto à superfície do molde enquanto outros colocam elementos nos pontos onde querem induzir turbulência, aumentando assim o número de fluxo Reynolds. Mas é sempre a optimização do arrefecimento a orientar o desenho.